Arquivo de etiquetas: família

A família de Jesus

“Falava ainda Jesus à multidão quando sua mãe e seus irmãos chegaram do lado de fora, querendo falar com ele. Alguém lhe disse: ‘Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar contigo’. ‘Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?’, perguntou ele. E, estendendo a mão para os discípulos, disse: ‘Aqui estão minha mãe e meus irmãos! Pois quem faz a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, minha irmã e minha mãe’.” Mateus 12.46-50 (NVI)

A primeira vez que li este texto fiquei me perguntando “Por que Jesus estava desprezando sua família?”, “Por que ele não se levantou e foi atender seus familiares?”, mas depois, lendo esses versículos, percebi que Cristo não desprezou sua família, ao contrário, ele incluiu os discípulos na sua família. A Bíblia não fala, mas acredito que depois de dizer isso Jesus se levantou e foi até onde sua mãe e seus irmãos estavam, os abraçou e conversou com eles.

Em João 19.26,27, quando Jesus diz a João que Maria agora era sua mãe e a Maria que João agora era seu filho, fica claro que Ele se importava com sua mãe e como ela ficaria após a sua morte.

Em 1 Timóteo 5.8 diz: “Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos da sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente.” (NVI). Jesus é perfeito, portanto ele não rejeitou nem desprezou sua família.

Mas o ponto onde quero chegar, no texto inicial (Mateus 12.46-50), é que Jesus inclui em sua família os seus discípulos, eles não eram só conhecidos, mas passaram a ser da sua família. Como consequência disso, eles tinham toda liberdade que uma família tem.

E isso não parou quando Jesus morreu, ressuscitou e subiu para junto do Pai, vemos nos evangelhos que após a morte e ressurreição de Cristo eles se mantiveram juntos (Marcos 16.14/João 20.19,26/João 21.2). Logo depois da ascensão de Jesus aos céus, eles permaneceram juntos (Atos 1.13,14), estavam juntos no dia de Pentecoste quando o Espírito desceu sobre eles (Atos 2.1) e continuaram assim a medida que novos membros entravam na família (Atos 2.44). Quando a Igreja se dispersou por causa da perseguição (Atos 8.1-4) por onde quer que fossem, pregavam a Palavra e assim, acrescentavam novos membros à família.

Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade.

Atos 2.44,45 (NVI)

Há um tempo perguntei a Deus o que seria necessário para que eu visse o texto acima se realizando nos dias de hoje, e é isso que vou tentar responder aqui, através da Palavra.

No final do nosso texto base (Mateus 12.46-50) Jesus fala: “Pois quem faz a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, minha irmã e minha mãe.”, portanto qualquer que fizer a vontade de Deus, e isto não é apenas conhecer a Palavra mas praticá-la (Lucas 8.21), é incluído na família de Cristo. Isto significa que, se você e eu ouvimos e praticamos a Palavra de Deus fazemos parte da família de Jesus. Mas, se não olharmos isto com a Palavra sendo nossa luz, entenderemos como religião, isto é, o homem tentando se aproximar de Deus através do fazer algo. 

Em João 14.21(a) Jesus falou: “Quem tem os meus mandamentos e lhes obedece, esse é o que me ama.” (NVI) e em João 14.23(a) “Respondeu Jesus: Se alguém me ama, obedecerá à minha palavra.” (NVI). Assim, conseguimos ter e obedecer aos mandamentos de Jesus, se o amamos. Portanto, fazendo uma implicação lógica temos: Amar Jesus implica que teremos e obedeceremos a seus mandamentos, ter e obedecer aos mandamentos de Cristo implica que faremos parte da sua família (Mateus 12.50). Logo, amar Jesus implica que faremos parte da sua família. 

Assim, a resposta para a pergunta: “O que é necessário para termos a união e a comunhão dos irmãos da Igreja Primitiva nos dias de hoje?” é: AMAR JESUS.

Consequentemente amaremos nossos irmãos (aqueles que fazem parte da família de Jesus), os aceitaremos com suas particularidades, choraremos juntos, sorriremos juntos, nos ajudaremos nos momentos de dificuldades, comeremos juntos, oraremos juntos, procuraremos o crescimento uns dos outros, enfim, seremos uma família. E isso nos levará a ser verdadeiras testemunhas, pois estaremos pregando aquilo que vivemos. Amaremos nosso próximo e desejaremos que aqueles que ainda não fazem parte da nossa família, façam parte e desfrutem da verdadeira comunhão.

Que o nosso maior desejo seja conhecer Jesus! Só uma pequena revelação do Seu amor fará com que nossos joelhos se dobrem em completa adoração Àquele que escolheu tomar o nosso lugar e pagar nossa dívida.

Esta mensagem é dedicada aos meus irmãos que, através das suas palavras e atitudes, me mostraram que é possível viver a comunhão da Igreja Primitiva.

Joyce

Anúncios

No lugar certo

No início do capítulo 1 (Mateus 1.1-17) nos deparamos com a citação de algumas pessoas da geração que houve antes do nascimento do Messias. Cada pessoa citada teve um importante papel antes da vinda de Cristo, pois estes fazem parte dos seus antepassados.

A ênfase na família de Cristo nos mostra que pessoas anteriores a nós, quer sejam ruins quer sejam boas, foram necessárias para que a nossa história, a nossa missão, aqui na terra fosse completa.

Quantas vezes já chegamos até Deus e questionamos sobre a família que temos, o lar que habitamos, as nossas condições físicas, financeiras e psicológicas? Quantas comparações já fizemos da nossa vida com a vida dos outros?

Meu irmão, nada disto importa, quando entregamos nossa vida nas mãos de Jesus, todas as condições, quer sejam boas ou ruins, passam a ser para a exaltação do Senhor. Se Deus te trouxe ao mundo e te colocou nessa família é porque é aí que Ele quer te usar.

Para assumir a sua posição no Reino aqui na terra você precisava ter nascido exatamente nessa família.

Para que a promessa de Deus se cumprisse Jesus precisava vir como homem, e todas aquelas pessoas anteriores a Ele foram necessárias para a nossa história hoje seja completa.

Agradeça a Deus pela sua família, seja ela como for, apenas ore por ela, creia que o seu nascimento nesta família foi para mudar a realidade dela, foi para que através da sua vida toda sua geração seja impactada por Jesus.

Você é a pessoa que veio para transformar a história da sua família, para mostrar que a vida só pode ser encontrada em Cristo Jesus.

Apenas creia!

Priscila Pereirapriscila

Discípula de Cristo

priscilaprill@hotmail.com

Ser escolhido ou escolher

Mateus 1.

Como eu gosto de fazer no inicio de cada estudo, vou explanar um pouco sobre o autor e quem era o público alvo deste livro, pois nos norteará em toda a sua leitura.

Este livro foi escrito por Mateus ou Levi em algumas traduções. Foi um dos Apóstolos de Jesus, era coletor de impostos antes de ser convocado pelo Mestre.

Neste livro Mateus escreve com uma clara ideia de revelar Jesus ao povo judeu, e toda a escrita gira em torno disto.

Já no primeiro capitulo temos um ensino precioso para as nossas vidas. Vamos lá então:

Nos versículos de 1-16 vemos Mateus descrevendo a genealogia de Jesus O “Cristo”, quantos de nós já passamos correndo por estas leituras sobre genealogias?

Mas existe algo maravilhoso dentro de cada uma delas, neste caso vemos Mateus começando muito bem esta genealogia e chamando bastante atenção do povo Judeu.

Mateus 1:1 Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.

Mateus já apresenta Jesus como filho de dois dos maiores homens da historia de Israel:

Abraão – Pai da fé, da promessa e da Aliança.

Davi – O grande Rei, cujo cetro nunca se afastaria de sua descendência.

Só que a partir daí ele muda drasticamente sua escrita, mostrando para o leitor uma lista de antepassados que muitos de nós gostaríamos que ninguém ficasse sabendo.

Falaremos sobre alguns deles a partir de agora:

Isaque – Pouco se fala sobre Isaque nas escrituras, foi um personagem totalmente apagado entre os proeminentes Abraão e Israel. Uma pessoa que se não fosse filho de Abraão e pai de Israel provavelmente nem seria registrado nas escrituras.

Jacó – Mateus faz questão de chama-lo de Jacó e não de Israel, trazendo a memória do povo Judeu quem Israel tinha sido antes do seu encontro com Deus.

Judá – Um homem que teve participação ativa na trama que visava o desaparecimento de seu irmão mais novo José.

Tamar – Uma mulher que teve um filho com o seu sogro, em uma situação de muitos enganos e mentiras de ambas as partes.

Raabe – Prostituta de Jericó.

Rute – Uma mulher estrangeira, os Israelitas consideravam que todo estrangeiro eram pessoas inferiores.

Salomão – Apesar de ser um homem muito sábio, Mateus deixa bem claro que ele nasceu de uma relação de adultério do seu pai Davi com Bate-seba.

Roboão – Rei durante a divisão das Doze tribos de Israel nos reinos do Norte (10 tribos) e do Sul (2 tribos).

Manassés – O pior rei de toda a história de Israel.

Mateus faz questão de mostrar para o povo Judeu que a descendência de Jesus não é assim tão perfeita e que Deus não escolhe pessoas, mas ele usa e faz acontecer conforme Ele quer e conforme a pessoa se coloca a Sua disposição.

O nosso Deus não se importa com quem você era, quem era ou são os seus descendentes e parentes, se sua família só te traz vergonha, mas Ele se importa sim no que Ele pode te tornar se você deixar.

De uma descendência totalmente arrebentada Ele trouxe Aquele que é a Luz do mundo, e isto é só pela graça amados, estas pessoas não escolheram estar na linhagem do Rei dos reis.

Deus não escolhe pessoas, mas usa poderosamente aqueles que O Escolhe.

Deus quer te tornar luz aí onde você está não importa em qual situação familiar você se encontre, só abra espaço para Ele te usar.

Senhor, faça de mim luz para minha família, tira de mim tudo que ainda tenta apagar a sua Luz em mim.

Márcio Alexsandermarcio

Discípulo de Jesus

maccosta@oi.com.br

A genealogia de Jesus

Infelizmente poucos de nós se aprofundam no início do livro escrito por Mateus, onde encontramos a genealogia de Jesus.

Creio que o fato de Mateus (1:1-17) e também Lucas (3: 23-38) dispensarem tempo e espaço em seus Evangelhos para descrever a genealogia de Jesus, quer dizer muito não só sobre Jesus, mas sobre nós mesmos.

Vejo a importância desse texto sob dois pontos de vista:

O primeiro, a importância da nossa origem. Temos por trás de nós, toda uma história que começou a ser escrita a muito tempo.

A importância dos pais, avós, bisavós, tataravós, etc, é valorizada pelos evangelistas, acredito de que com o intuito de nós também valorizarmos a nossa origem. Por isso, nesses versículos que aparentemente não nos fala nada, o Senhor quer nos fazer olhar para a família que Ele nos deu e percebemos o quanto fomos planejados.Muitas vezes, vivemos nossa vida como se tivéssemos vindo de uma chocadeira, e esquecemos daqueles que Deus usou para nos dar vida.

Como temos cuidado dos nossos familiares, tempos dispendido tempo para os curtir, para amá-los, para valorizá-los?

A segunda ótica que podemos enfatizar, é da importância de cada um de nós na história e de como Deus trata cada um individualmente.

Quando leio a genealogia, penso em como Deus me chama pelo nome, como Ele se preocupou em escrever meu nome na história.

Muitos daqueles que estão descritos na genealogia são conhecidos como grandes heróis bíblicos, outros sequer são conhecidos, não realizaram grandes feitos, mas seus nomes estão lá.

Com isso, concluo que Deus quer usar cada um de nós a seu modo, seja de forma grandiosa aos olhos dos homens ou não, mas o fato é que, cada um de nós tem uma importância fundamental para nosso Pai.

Se qualquer um daqueles antepassados de Jesus não tivesse se deixado usar de uma forma ou de outra, com certeza a história seria contada de outra forma.

Por isso meus queridos irmãos, jamais nos esqueçamos que o quanto nosso Deus preza a nossa individualidade e que Ele nos olha um a um, cada qual com seu jeitinho, com suas características!

Ele não olha para o mundo e vê 7 bilhões de pessoas…Ele olha o mundo e vê você!!!!!!!

Tenham todos um excelente dia na presença do Senhor!!!
Mercilene de Sousamerci
Discípula de Jesus
mercilene@gmail.com

Nas “pequenas” e “grandes” coisas

“Visto que vocês não podem sequer fazer uma coisa tão pequena, por que se preocupar com o restante?” Lucas 12.26

Tenho certeza que muitos de nós tem se preocupado com esse “restante”, ou seja, ser usado por Deus, se tornar um grande pregador da palavra um excelente ministro de louvor e por ai vai. Mas estamos nós esquecendo que para sermos grandes em Deus, precisamos fazer as coisas “pequenas”.

Deus nós confia as coisas pequenas para nos preparar para coisas grandes. Foi assim com Davi, até ele matar golias, Deus fez com que ele matasse um urso e um leão. Mas, infelizmente, estamos deixando de fazer as coisas pequenas justamente porque julgamos tão pequenas aos nossos olhos, mas pra Deus é uma grande coisas.

Vou citar duas coisas entre tantas que nós julgamos ser “pequenas”, mas que fazem toda diferença, consolidar e discipular. Consolidar é algo tão “pequeno”, mas que nós teimamos em não fazer, não queremos perder o nosso “precioso tempo”. E consolidar é importantíssimo, porque apresentamos ao irmão que se converteu ou que se reconciliou com Deus, a igreja no qual ele faz parte agora, e que não basta apenas aceitar a Jesus mas que é preciso ele caminhar com Cristo.

Uma vez na célula uma irmã me questionou. “A nossa célula não cresce e tal…”, ai eu respondi: “Ela não cresce porque não estamos fazendo a nossa parte, que é consolidar.”. Fica a dica ai, irmãos, vamos CONSOLIDAR!

Agora já com relação ao discipulado, vamos meditar um pouquinho. Em nossas orações nós pedimos a Deus que ele alcance a nossa família, que todos conheçam a Jesus, mas pensa comigo, e se não tiver alguém para os discipular? Com certeza eles não iram se firmar na caminhada, digo isso porque tenho ouvido da maioria dos que se desviaram do Caminho que o motivo que os levaram a saírem, foi porque não tiveram um acompanhamento, ou seja, um discipulador. Agora vamos pra Bíblia, nela está escrito: “(…) O que o homem semear, isso também colherá.” Gálatas 6.7, também está escrito: “Como vocês querem que os outros lhes façam, façam também vocês a eles.” Lucas 6.31, ou seja, estamos vivendo debaixo da lei da semeadura, então se cuidarmos de alguém, com certeza Deus irá levantar pessoas para cuidar dos membros da nossa família.

Sendo sincero irmãos, acho que estamos com medo de assumir um discipulado, porque como discipuladores nós temos que dar o exemplo, porque discipular nada mais é do viver aquilo que você prega, servindo de referência. E se nós não dermos o exemplo, ao olharmos para o espelho veremos um reflexo de discípulo, mas quando os nossos discipulados olharem pra nós eles verão a imagem de fariseu. Está na hora de pararmos de viver de reflexo e começarmos a viver a imagem de Cristo.

Só para finalizar, uma outra coisa que tem impedido as pessoas de discipular é porque nós achamos que faremos isso com a força do nosso braço e do nosso intelecto quando, na verdade, temos apenas que nos tornar dependentes do Espirito Santo. Certo dia Denise (minha noiva) foi evangelizar lá no parque municipal, aí ela ligou para uma pessoa que iria com ela e essa pessoa disse: “Eu não sei evangelizar.”, ao ouvir a Denise me relatando isso, Deus me disse assim: “É assim que eu quero você, meu filho”. Aí respondi: “Como assim Papai, sem saber evangelizar?”, então eles respondeu: “Não, meu filho! Quero você dependente de mim, porque quando você diz que não é capaz de fazer algo, você se torna depende de alguém, nesse caso, dependente do Espírito Santo de Deus!”.

Que eu e você possamos estar sempre nessa dependência de Deus, quer seja nas coisas “pequenas”, e principalmente, nas coisas “grandes” que Deus tem para nossas vida, amém!

Deus te abençoe grandemente e que essa palavra faça você refletir a respeito de consolidar e discipular.

wallysson

Wallysson Cristiano

Discípulo de Jesus

tililim.bh@hotmail.com